Gibi Raro
Insira a palavra-chave:
    

Quem Somos


Kendi Sakamoto

Meu nome é Kendi Sakamoto, nasci em 08/12/54. Tomei gosto por gibis quando tinha 4 anos de idade. Nessa ocasião meu irmão mais velho Masumi, já trocava gibis com os amigos e eu via e manuteava os gibis. Eu não sabia ler, mais ficava maravilhado com os detalhes bem feitos de Wall Disney. Aprendi a conhecer os personagens e com seis anos tentava copiá-los.
Comecei a desenhar baseado na linguagem dos quadrinhos. Quando tinha 8 anos comecei a ler as historias dos gibis, tentando entendê-las.
Na época a censura nos quadrinhos impunha muitas restrições. Dessa forma, nas capas dos gibis vinham impressas com tarjas como: "Para maiores de 13 anos".
Eu não entendia como podia assistir a um filme de Tarzan no cinema com classificação "'Livre", e não podia folhear um gibi do mesmo personagem com o mesmo tema, pois era proibido a menores de 13 anos.
Na minha infância, no interior de Monte Alto-SP, tive apenas acesso aos gibis publicados da década de 60. Curti o máximo tudo que percebia que a época de ouro dos quadrinhos sofria o seu declínio. Os gibis do Fantasma começavam a apresentar capas mal desenhadas, o traço dos desenhistas já não eram os mesmos, começavam a multiplicação de propagandas excessivas, e a maiorias das publicações terminavam.
Quando vim a São Paulo Capital em 1973, vi que não havia visto nada em se tratando de quadrinhos: Nunca tinha tido os gibis publicados nas décadas de 30, 40 e 50.
A partir daí, não parei mais de aprender sobre o mundo maravilhoso das Historias em quadrinhos. Meus gostos pessoais são: Tarzan, Reis dos faroeste, Disney, Gene Autry, Antar, Fantasma, Manarake, Cavaleiro Negro, Flecha ligeira, Edição maravilhosa e Cinemim entre outros.
Em breve, completarei este depoimento com mais informações.

Entrevista com o colecionador

Kendi Sakamoto, o colecionador do mundo da imaginação

1. Inicialmente fale-nos um pouco sobre você, sua vida profissional.
Sou engenheiro elétrico, professor universitário de Pós-graduação da Master School, Unibero e Unicid.  Tenho 3 livros escritos, que são: Alice no Pais do Contact center, O call center do dr Hanz e também  No tempo das Matinês.
Tenho uma consultoria na área de call center, que se chama kendi sakamoto contact center consulting e sou bem conhecido no meio de call center.

2. Quando começou a colecionar os gibis?
Comecei a gostar de gibis aos 4 anos de idade, através do meu irmão mais velho.
Como desenho também, curto muito não só a história ( roteiro), mas tambem o tipo de traço dos desenhistas, o cuidado na elaboração e enquadramento, etc...
Comecei realmente como colecionador em 1986, e não parei mais.  Acabei conhecendo muitos colecionadores e vendedores de gibis.

3. Você é o maior colecionador de gibis do Brasil. Quantos ítens tem sua coleção?

Na realidade, sou o maior colecionador de gibis antigos do Brasil, já que o meu
Acervo tem na realidade as relíquias dos anos 30, 40, 50, 60 e 70.
Tenho alguns gibis mais recentes ( década de 80 em diante), mas dou preferência aos mais antigos.
Acredito que tenha 70.000 exemplares, embora tenha uma parte de gibis repetidos.

4. Como você os guarda e onde, já que é uma quantidade grande?
Tenho um espaço de 120 metros quadrados só para gibis.  O armazenamento deles tem um tipo de preparo:
- o grampo dos gibis é retirado, para não enferrujar e estragar as revistas
- os gibis devem ser guardados invertendo-se a posição dos mesmos, para não criar lombadas nas dobras.
- não pode ter luz demais e nem umidade ou calor em excesso.

5. Existe alguma seleção do tipo de revistas?
Os gibis possuem seleção por ano e numeração. Há desta forma a Ebal, editora que preferia publicar por série a cada 100 gibis daquele herói. Outras editoras preferiam ter numeração continuada. Ficava a gosto de cada Editora.

6. Qual foi a época de ouro dos quadrinhos?
A época de ouro foi no período de 1940 a 1960, embora alguns insistam em dar mais ênfase na década de 50. há verdadeiras obras de arte, tanto nas capas, quanto nos roteiros inteligentes e quadrinhos bem desenhados.
A capa sempre foi um expetaculo que ajudava a venda dos gibis.

7. Qual foi a 1ª revista em quadrinhos a ser lançada no Brasil?
Tivemos no formato tablóide o suplemento juvenil e Globo Juvenil.
Posteriormente, foram publicados Mirim, pela EBAL e  O Gibi, pela Rio Gráfica e Editora, do Roberto Marinho. Curiosamente, o nome gibi acabou ficando no Brasil, sinônimo de historias em quadrinhos.

8. E o primeiro personagem brasileiro?
Para esta informação, tive que recorrer ao Wilkpedia do google, que menciona:
       
Os quadrinhos no Brasil possuem uma longa história, que remonta ao século XIX, com o trabalho pioneiro de Angelo Agostini que criou uma tradição de introduzir desenhos com temas de sátira política e social (as conhecidas charges) nas publicações jornalísticas e populares brasileiras. Entre seus personagens populares estavam o "Zé Caipora" e Nhô-Quin" (1869).[1] Nessa linha apareceu também o cartunista Belmonte, criador do Juca Pato. Em 1905 surgiu a revista O Tico Tico, considerada a primeira revista de quadrinhos do Brasil,[2] com trabalho de artistas nacionais como J. Carlos. A partir dos anos 1930, houve uma retomada dos quadrinhos nacionais, com os artistas brasileiros trabalhando sob a influência estrangeira, como a produção de tiras diárias de super-heróis (com a publicação do Garra Cinzenta em 1937 no suplemento A Gazetinha) e de terror, a partir da década de 1940, [3] com os jornais investindo nos chamados "suplementos juvenis", idéia trazida da imprensa americana por Adolfo Aizen. Em 1939 foi lançada a revista O Gibi, nome que se tornaria sinônimo de revista em quadrinhos no Brasil.

9. É verdade que a mini saia foi lançada a partir de um personagem em quadrinhos? Conte-nos sobre isso.
Sem duvida, o grande desenhista Alex Raymond, na década de 30, inventou a mini-saia no Planeta Mongo, para a mocinha Dale Arden, namorada de Flash Gordon. A moda internacional colocou a mini saia na década de 60, e nunca mais saiu de moda.

10. Muitos personagens dos quadrinhos foram para o cinema. Quais os mais famosos?
Muitos personagens originaram-se do sucesso dos quadrinhos. Os mais famosos são.:
Flash Gordon
Hulk
Homem Aranha
Batman e Robin
Super-Homem
Spawn
O demolidor
Elektra
Tex
Jim das Selvas
Mulher Maravilha
E também na década de 60, a Ebal publicou O Judoka, que depois viraria filme de cinema.

12. Qual seu item mais raro ou caro? Existe algum que você não tenha e queira muito?

Graças a Deus consegui ter na minha coleção tudo o que eu queria. O item mais caro talvez seja a Edição de São João da década de 40. Mas sempre estou pesquisando e comprando, para ter uma coleção cada vez em melhor estado de conservação.

13. Recentemente você criou um site, www.gibiraro.com.br . Fale-nos um porco sobre ele.
Quando garoto, achava que alguma grande Instituição de Cultura, faria um acervo com tudo o que foi publicado no Brasil sobre quadrinhos. Mas ninguém fez isso. Então, eu fui escaneando as capas dos gibis, com informações de inicio e termino das publicações, e fui inserindo. Graças a Deus o site é muito visitado e espero em breve conseguir colocar todas as capas publicadas no Brasil, para que estudantes, jornalistas, curiosos ou aficcionados pelo gênero, tenham uma lembrança dos anos felizes de quem viveu a época de ouro dos quadrinhos e a influência benéfica ( quem lia, sabia muito bem ler e escrever bem), ao contrário das gerações atuais, que quase não lê  e escreve muito mal.
O site www.gibiraro.com.br é um site Cultural. A cada dia, novas pessoas entram lá e ficam maravilhadas com as recordações da infância. E uma coisa muito importante: as pessoas inteligentes apreciam e curtem histórias em quadrinhos.
Fórum

Direito Autoral - Este site tem como único objetivo Cultural preservar a memória dos quadrinhos publicados no Brasil, possibilitando fonte de pesquisa para estudantes, jornalistas, aficcionados do gênero e curiosos. Todas as manifestaçoes aqui contidas respeitam os direitos autorais dos detentores dos personagens de gibis, HQ, mangá, Comics, animes, quadrinhos e personagens em geral, bem como editoras e desenhistas contidos neste site. (Kendi Sakamoto)
desenvolvido por Dialética